10 discos – 10 games

Essas correntes do Facebook vão e voltam. Fiz uma lista com os 10 discos e 10 games que mais marcaram a minha vida até aqui. E é claro que se tivesse feito ontem ou se fizesse amanhã ela seria diferente.

As de hoje são:

10 Discos

1. Pink Floyd – The Wall
2. Kraftwerk – Trans Europe Express
3. OMD – Organization
4. Roxy Music – Avalon
5. Mark Knopfler – Screenplaying
6. Depeche Mode – Music For The Masses
7. Cocteau Twins – Victorialands
8. Killing Joke – Democracy
9. Dead Can Dance – Dead Can Dance
10. XTC – Skylarking

10 jogos

1. Turtles (Odyssey)
2. Alex Kid (Master System)
3. Collums (Master System)
4. Sonic (Mega Drive)
5. Streets Of Rage II (Mega Drive)
6. Resident Evil (Play 1)
7. God Of War (Play 2)
8. CoD (PS3)
9. Red Dead Redemption (PS3)
10. Last of Us (PS3)

No ar…

Obviamente já devo ter dito isto aqui. Mas uma vez estava lendo uma entrevista do Matrin Lee Gore, compositor do Depeche Mode, onde ele dizia pegar as melodias de suas composições no ar. Anos mais tarde, em uma entrevista na TV, ouvi a mesma coisa de Keith Richards. Com suas mãos calosas, o lendário guitarrista da banda da boca com língua pra fora, gesticulava e dizia que todas as canções já foram tocadas e cantadas. Bastava captar no ar uma dessas melodias e fazer dela sua, que fosse por um período.

E mais uma vez não quero nem vou me comparar à estes dois sujeitos. Mas confesso pensar da mesma forma. E além. Longe de ser plágio, sempre que ouço uma melodia, consigo ouvir outras melodias por baixo da cama de sons. No meio de um solo ou de uns acordes, sempre existe uma melodia querendo sair, uma que não foi tocada, pensada, captada.

Esta canção do Daft Punk, duo de que gosto e admiro muito, é quase um interlúdio. Mas de uma beleza tamanha inversamente proporcional à sua duração.

Sempre que a ouço, repetidas vezes, quase em transe, imagino várias e várias dessas melodias que ficam subentendidas.

Ontem a noite, trabalhando em outra coisa, ouvindo Nightivision, não resisti. Liguei o synth, o LIVE (programa de edição de audio), fiz uma pequena percussão, uma base e criei esta pequena e humilde homenagem, um singelo solo que permeia a melodia. Tinham várias outras. Mas a que captei foi esta.

“Ainda há tempo para ecoar”.

A free interpretation of the beautiful song Nightvision, Daft Punk. My homage.

Exceto quando acontece com você

Algumas coisas você só percebe quando acontecem com você. Como quando você compra um carro numa cor exótica e acaba vendo um da mesma cor a cada esquina. E ainda pensa, puxa como não tinha notado tantos antes? Exemplo idiota mas que ilustra bem.

Esta música do Neil Diamond, que devo ter ouvido várias e várias vezes de tabela na infância, é muito apropriada para o momento. Mesmo não importando muito o ponto de vista de quem escuta ou de quem sofre algo pela primeira vez. Agora é a vez.

Front Page Story

She wakes up
She’s leaving
She sets out so assured
That she can find
The life that she believes in

She’s glad now
It’s over
She never should of gotten so involved
At least that’s what she told him

And it’ ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Somebody’s broken heart ain’t new
Except when it happens to you

He wonders
What happened
He thinks of all the things
He might have done
Why shouldn’t she believe him

He wakes up without her
And never really knows
Just what went wrong
But it’s all wrong without her

And it ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Another broken heart ain’t new
Except when it happens to you

It ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Somebody’s broken heart ain’t new
Except when it happens to you
No no no

Won’t make the headlines
Somebody breaks a heart in two

No no no
Oh no no

Somebody’s broken heart ain’t news
Except when it happens to you

No no no
Won’t make the headlines
Somebody breaks a heart in two

No no no
Oh no no
Somebody’s broken heart ain’t news

Conan

Neste post pretendo ser rápido. Com tantas coisas sérias ao nosso redor, parece uma grande besteira vir postar aqui em protesto de algo que gosto, de uma história de fantasia. Mas como a frase do alemão e grande contador de histórias, Michael Ende que sempre utilizo “Afinal, é apenas isso que procuramos, envolver poesia nas nossas vidas, encontrar poesia na própria vida.” mostra, o que seria da vida sem fantasia?

Nossa válvula de escape. Se faz mais que necessária atualmente.

Voltando ao tema do Gigante de Bronze. E a começar pelo jargão do quadrinho, o nosso amigo Jason Momoa, que é bem legam em Game Of Thrones, não chega nem perto do apelido. E nem perto do primeiro Conan, Arnold Schwarzenegger. Todos fazem piadas sobre o primeiro Conan. Mas a abordagem da história, do personagem, da própria Era Hiboriana, de Robert E. Howard é muito fiel aos quadrinhos tão bem desenhados de John Buscema. E convenhamos, estamos numa era diferente da era do cinema de Cecil B. Demile. A falta de efeitos baratos do filme atual fez o Conan de 1980 parecer o Conan dos Quadrinhos mesmo. Real, sujo, medieval, Hiboriano, humano.

Quando assisti ao trailler do novo filme já fiquei desanimado. Desde o início, do patético nascimento no meio de uma batalha ao treinamento “sacado” e genérico dos meninos guerreiros. Horrível!

Poderia me delongar por horas a fio sobre a rica e espetacular fantasia criada por Robert. E toda a pobreza e falta de compromisso com o filme atual. Mas isso não faz nenhum sentido.

Crom! Tenha piedade de suas almas!

Manutenção

Este blog começou quando descobri que a Locaweb disponibilizava este serviço com meu URL personalizado. Antes era http://blog.stemamo.com. E era um serviço “linkado” ao WordPress.

Depois de alguns anos a Locaweb descontinuou este serviço. Recebi um aviso para migrar meu blog para um servidor WordPress, para não perder meus dados, posts etc. Tentei isso por vezes e não deu certo. Como já era usuário do WP, tinha um URL guardado com meu nome, stemamo. Falei com alguns amigos que entendem muito de programação mas também não conseguiram me ajudar.

Só me restou fazer do jeito mais difícil. Colei todos os posts numa página do Pages, programa correspondente ao Word da Apple, e passei tudo, post por post, para cá. Ao fazer isso perdi todos os comentários, tags e imagens. Começou tudo do zero.

Uma pena. Mas pelo menos consegui mater o blog com seus posts originais.

A justificativa da Locaweb faz sentido. Obviamente que eles não estavam conseguindo se atualizar com os blogs na mesma velocidade e capacidade do WordPress. Por isso deixaram isso de lado. Agora o blog tem mais recursos. Posso até fazer posts pelo celular. E também um novo template, mais clean e atual.

Agora sim, até a próxima!

“Vô José”

Hoje fiz um pequeno texto para apresentar os quadros do meu irmão aos amigos do facebook. E pensei em postar um pouco desta história.

Para falar dos quadros do Binho, que se chama Ruben, tenho que falar mais uma vez aqui do nosso avô José Maglovsky. Este era o pintor da família. Tinha uma técnica apurada. Belas pinceladas, as vezes fortes, mas quase sempre suaves. Era um amante de belas paisagens. Praticamente todos os seus quadros representavam marinas, bosques, casas antigas em encostas, montanhas, serras, luares, lagos, algumas flores, alpes, jardins. Uma espécie de Tom Jobim da imagem.

Ela era muito bom nisso. Engraçado é que ele não gostava de encomendas. Uma vez um amigo pediu um quadro do Rio de Janeiro, aquele cenário clássico do Pão de Açucar. Ele sofreu pra fazer. Protelou enquanto pôde. Mas acabou fazendo e ficou bom. Era um mestre nisso. Eu sempre que ia na casa deles, os avós, subia no atelier pela escada caracol para bisbilhotar qual a nova empreitada do “Vô José”. Sempre havia algo novo. Uma vez um conhecido que tinha um veleiro encomendou um quadro enorme do lindo barco a velas para colocar dentro dele. Ficou lindo. Fiquei impressionado com a capacidade de representar tão bem.

Eu gosto muito dos quadros do José Maglovsky. Mas ele tinha algumas gravuras, ilustrações feitas com nanquim, da época da Belas Artes que eram maravilhosas. Gostaria de saber onde foi parar isso.

Em 1997 tivemos algumas aulas com ele. Pintamos o mesmo modelo. Uma paisagem de neve. Neve é considerado um dos temas mais difíceis de se pintar. Mas até que saiu, com uma ajudinha ou outra. Nesta época das aulas de pintura já dava pra notar, a quem fosse mais atento, que o Binho tinha captado melhor a técnica, tinha mais dom para isso. Eu gostava de lápis, canetas, nanquim. Não conseguia detalhar nada com pincel, nunca consegui entender muito bem essa arte.

Como sou teimoso, há menos de 3 anos, um pouco antes de me mudar em definitivo para morar com a Gabi, minha mulher, resolvi tentar mais um pouco nessa arte. Estava cansado da reforma do apartamento, de esperar, de fazer as mesmas coisas e resolvi. De ímpeto, fui numa loja de artes em BH e comprei cavalete, um monte de tintas da melhor marca, alguns pincéis bons, outros já possuía, e algumas espátulas. Eu achava que não era bom no pincel mas que na espátula iria me dar bem. O “Vô José” tinha quadros maravilhosos de espátulas. E meu amigo Dominique também. Achei que seria fácil. Henry Miler, meu escritor favorito, pintava. Dizia que eram horríveis. Mas pintava! Comprei apenas uma tela. Seria aquela ou nenhuma.

Com todo aquele aparato em casa, no meu quarto, tudo pronto, comecei a pensar num motivo, num tema. Não vinha nada. Tentei fazer faixas coloridas, influenciado pela comunidade Color Lovers. Ficou terrível. Cores feias, tudo sujo. Foram várias tentativas de pintar essas faixas, mais de uma semana. Desisti de vez. No site é muito mais fácil e rápido. E não tem que ficar lavando o pincel. Um dia à noite, cansado, estava revendo o filme O Último Samurai, aquele com o Tom Cruise. Sou fascinado por mitologia, história, principalmente pela era de ferro e da espada. Neste filme, que conta o fim dos verdadeiros samurais, tem alguns cenários lindos. Fiquei olhando aquelas paisagens e imaginando que aquele Japão de final de inverno daria uma excelente imagem. Um excelente quadro. Dei pausa no frame desejado para a inspiração e lá se foram mais tentativas frustradas em mais uma semana inteira.

Lavei e separei tudo, pintei a tela de branco. No dia seguinte perguntei se o Binho queria o material, pois sempre soubemos que ele tinha mais facilidade com aquilo tudo. Ele quis. E logo na primeira investida, naquela minha primeira tela, ele fez um belíssimo retrato. Um senhor que parecia muito nosso avô José Maglovsky. Deve ter sido insconsciente. Eu ohei aquelas cores, aquelas pinceladas, analisei bem e nem acreditei. Em um único dia, o DJ Binho tinha feito um belíssimo quadro. Fui presenteado com ele. Que ironia. Mas é claro que estou brincando. Foi uma ironia boa. Achei muito bonito e gostei muito de recebê-lo. O nome do quadro? “Vô José”

Para ver mais quadros do Ruben clique aqui.