Sinestesia

Estava agora mesmo a procurar algum tópico relacionado ao assunto sinestesia dentro de UX (User Experience). E numa das buscas, no blog Sinestesia, caio numa análise do álbum chamado Lloyd Cole, do artista Lloyd Cole. Leio a resenha, curto, vou no Youtube, nosso player de todo dia e, me deparo com aquela clima nostálgico de um bom álbum de 1990.

Me lembrou demais aquelas épocas em que ia até o quarto do meu tio Ricardo, Klaxon, pegar algum CD aleatoriamente escolhido pela capa. E alguns livros e HQs também. E quanta coisa boa vinha daquelas degustações audiovisuais, ou melhor, sinestésicas.

É isso, está tudo na nuvem, voando, confluindo, as vezes você capta alguma coisa boa e pega. Já ouvi gente grande falando isso. E que bono.

Aqui, o álbum para audição: https://www.youtube.com/watch?v=dukcj5PKqP0

bjs

10 discos – 10 games

Essas correntes do Facebook vão e voltam. Fiz uma lista com os 10 discos e 10 games que mais marcaram a minha vida até aqui. E é claro que se tivesse feito ontem ou se fizesse amanhã ela seria diferente.

As de hoje são:

10 Discos

1. Pink Floyd – The Wall
2. Kraftwerk – Trans Europe Express
3. OMD – Organization
4. Roxy Music – Avalon
5. Mark Knopfler – Screenplaying
6. Depeche Mode – Music For The Masses
7. Cocteau Twins – Victorialands
8. Killing Joke – Democracy
9. Dead Can Dance – Dead Can Dance
10. XTC – Skylarking

10 jogos

1. Turtles (Odyssey)
2. Alex Kid (Master System)
3. Collums (Master System)
4. Sonic (Mega Drive)
5. Streets Of Rage II (Mega Drive)
6. Resident Evil (Play 1)
7. God Of War (Play 2)
8. CoD (PS3)
9. Red Dead Redemption (PS3)
10. Last of Us (PS3)

Exceto quando acontece com você

Algumas coisas você só percebe quando acontecem com você. Como quando você compra um carro numa cor exótica e acaba vendo um da mesma cor a cada esquina. E ainda pensa, puxa como não tinha notado tantos antes? Exemplo idiota mas que ilustra bem.

Esta música do Neil Diamond, que devo ter ouvido várias e várias vezes de tabela na infância, é muito apropriada para o momento. Mesmo não importando muito o ponto de vista de quem escuta ou de quem sofre algo pela primeira vez. Agora é a vez.

Front Page Story

She wakes up
She’s leaving
She sets out so assured
That she can find
The life that she believes in

She’s glad now
It’s over
She never should of gotten so involved
At least that’s what she told him

And it’ ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Somebody’s broken heart ain’t new
Except when it happens to you

He wonders
What happened
He thinks of all the things
He might have done
Why shouldn’t she believe him

He wakes up without her
And never really knows
Just what went wrong
But it’s all wrong without her

And it ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Another broken heart ain’t new
Except when it happens to you

It ain’t a Front Page Story
Won’t even make the papers
Somebody breaks a heart in two
And it happens much too often
Won’t ever make the headlines
Somebody’s broken heart ain’t new
Except when it happens to you
No no no

Won’t make the headlines
Somebody breaks a heart in two

No no no
Oh no no

Somebody’s broken heart ain’t news
Except when it happens to you

No no no
Won’t make the headlines
Somebody breaks a heart in two

No no no
Oh no no
Somebody’s broken heart ain’t news

Imagens Híbridas

Há pouco mais de um mês, me convidaram pra fazer o curso de imagens híbridas do Grupo Luz, pessoal de sampa, feras em tratamento e montagem de imagens – imagens híbridas. Isto está totalmente na moda hoje em dia, tanto na publicidade quanto na moda e design gráfico em geral. Praticamente não há uma imagem sequer que esteja num anúncio de revista, que não seja uma montagem. Muitas vezes o que denuncia isso são as montagens mal feitas, mostrando erros de perspectiva e proporção e, principalmente, de luz e sombra.

No curso, várias dicas sobre como recortar, tratar e até mesmo finalizar imagens. Ganho de pontos para impressão, tratamento por meio de filtros para ressaltar cores e camadas e, reproduzir tipos de arte característicos de épocas e equipamentos. Tipos de iluminação para foptografar, dependendo da intenção final e dicas sobre equipamentos e programas, um ótimo curso e muito bem ministrado pelo pessoal do Grupo Luz.

No final do curso, fotografamos uma modelo no estilo guerreira, para montar uma “imagem híbrida”. Todo o restante da imagem nos foi passado aos pedaços, para testar se tínhamos mesmo captado todas as dicas de montagem, perspectiva, foco, iluminação e, claro, a manipulação do photoshop pra fazer a imagem.

Hoje fiquei sabendo que minha imagen foi a vencedora. Ganhei um curso do Grupo Luz e uma assinatura da revista Photoshop Desktop por um ano.

Lá no curso ainda, quando fomos fotografar, vimos que a modelo era muito novinha, não tinha cara de guerreira. Logo estávamos eu e Rogério, daToca Filmes, convencendo nosso grupo disso. Todos concordaram e resolvemos tirar uma foto dela com um ar mais taciturno. Como se fosse, ao invés de uma guerreira destemida, uma aldeã, assustada e desolada. Deu certo. Por se tratar de uma imagem medieval, combinou muito bem com o ar que queríamos dar à foto. Neste caso não achei que caberia à ela segurar em punho a espada, por isso, deixei-a lá no fundo, numa referência clara a Excalibur. A águia, pra mim, era só um elemento complicador do cenário, mas acabou que coloquei duas, dando um ar mais natural à cena. Por fim, usei de forma mais correta, o que já usava direto sem saber exatamente o que era. Lomografia. Este termo veio do nome da marca de câmeras russas Lomo. Depois conto mais sobre as Lomo. Interessante hoje é que todos usam este recurso, de tirar um pouco da saturação da imagem e ao mesmo tempo ressaltar algumas cores e contornos, dando mais profundidade à imagem. Pra deixar ainda mais dramática a cena, deixei-a bem escura e num tom cinza, puxando pro verde. O resultado final pode ser visto na imagem abaixo. Eu gostei. É uma uma imagem híbrida mas se olhar bem, parece mesmo uma imagem natural.